Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog Bestialmente Conhecido

Um sítio onde eu não seja "eu"

São muitos os dias em que me arrependo de ter escolhido assinar os meus posts com o meu nome. Quando criei o blog achei que a melhor coisa a fazer era dar nome aos textos escritos. Não sei o que é que me passou pela ideia, mas não terá sido certamente a noção concreta de que por vezes faz falta "não ser eu", para que se possa escrever com toda a liberdade, sem a censura imposta pelos milhares de papeis que desempenho no meu dia. Apenas escrever, coração na ponta dos dedos, zero procura de razão, apenas uma "pasta de arquivo" para as piores e mais tresloucadas ideias que nos passam pela mente. O se calhar só para aquelas que são tão normais que são censuradas. Ou nem são censuradas, mas não estou para ouvir a opinião dos conhecidos sobre elas. Para registar frustrações antigas, daquelas que mais ninguém se lembra para além de nós.

Sem que ninguém me saiba a pessoa do dia a dia. Sem que ninguém que me conhece leia o meu desabafo e o saiba com esta origem. Sem ter de conviver com o olhar, a critica, o ressabiamento, quando não escrevo exatamente aquilo que as pessoas querem ou gostam de ouvir.

Poder continuar com os meus papeis diários, aqueles para os quais é esperado um determinado comportamento. Os mesmos em que me apetece dar gritos, mas só me descabelo dentro da minha cabeça. Não partilho com o mundo.

O anonimato dá isso, a possibilidade de partilhar com o mundo, sem que o mundo saiba que sou eu.

Depois, desabafo despejado para o universo continuo, a ser: a mãe; a filha; a esposa; a funcionária; a chefa; a metida a escritora; o elemento da sociedade; a irmã; a condutora; a contribuinte; a pobre; a queixosa; a filósofa; a cronista; a quase gaja boa; a wannabe desportista; a psicóloga; a tia; a cunhada; um elemento de família; a cliente da padaria; a cliente de hipermercado; a pessoa doce e sensível; a camionista bruta e mal educada; a gestora de uma espelunca online; a invejosa; a confiante; a recatada; a minimalista; a consumista; a frustrada; e a satisfeita com a vida em geral.