Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blog Bestialmente Conhecido

A diferença entre dieta e reeducação alimentar

Está no nome que damos à mesma coisa.

 

Porque é uma e a mesma coisa. A sério que é.

 

Senão vejamos.

 

Lembro-me de ver a minha mãe a fazer dieta. Nesses dias comia peixe cozido com poucas ou nenhumas batatas, alguns verdes e nenhum tempero. O lanche eram umas peças de fruta, água com limão, chá e outras mezinhas. Os bifinhos podia come-los grelhados e acompanhados de salada.

Podia comer muita sopinha e verduras.

Estavam proibidos os bolos, o pão, as gorduras, as massas, os molhos e os fritos.

 

Havia muita fominha envolvida e uma privação do catano.

 

Hoje os tempos mudaram. As pessoas não fazem dieta. Quem quer perder peso como deve de ser segue a corrente da reeducação alimentar, que, como o próprio nome indica, é uma espécie de revolução da papinha para uma pessoa saber mandar para o bucho material em condições.

Muitas verduras. Muitos grelhados, cozidos e estufados. Muito legume salteado. Muita sopa. Algum (pouco) pãozinho de centeio. Iogurtes com os índices de açúcar reduzidos. Cereais de caixa onde indica sem açúcar. Muita água. Chá sem açúcar. Galão sem açúcar. Café sem açúcar. Enfim é agarrar no açúcar e leva-lo ao topo de um monte para o abater com uma caçadeira.

Estão proibidos os bolos, o pão, as gorduras, as massas, os molhos, os fritos e os refrigerantes.

 

Ou seja, o mundo deu voltas e voltas, a dieta passou a chamar-se pomposamente de “reeducação alimentar” porque desta forma, a modos que, o cérebro é iludido a acreditar que não está em dor e privação e uma pessoa tenta acostuinar-se ao facto de que pode passar por uma pastelaria sem querer malhar o primeiro palmier-recheado-com-creme-de-manteiga-e-polvilhado-com-açúcar-de-pasteleiro que aparece.

 

A pessoa tem um dia para fazer uma “refeição livre” que é uma coisa que sabe um pouco a penitenciária, na realidade da pessoa que teve a semana toda na solitária e à sexta pode ir dar um passeio ao pátio, sabendo que, vai voltar para o lado escuro da vida, onde os bolos, o pão, as gorduras, as massas, os molhos e os fritos estão longe de ser uma presença bem vinda.

 

Assim, neste processo iniciado no sábado, concluo que estou em dieta, mas com a possibilidade de comer mais palitos de cenoura que no tempo da minha mãe. Estou livre de comer sopa as vezes que quiser desde que a maldita não tenha batata. Posso beber o que quiser, desde que seja chá, e que o mesmo não seja adoçado.

 

Estou no céu e agora vou ali comer o meu iogurte de coco (que me custou os olhos da cara), com as não mais e não menos que duas colheres de cereais, sem açúcar. Vou fazer-me acreditar que é tudo delicioso e que as calças, daqui a umas semanas, vão cair depois de abotoadas.

 

(isso e procurar uma influenciadora boa como o milho que me faça acreditar que legumes salteados, se insistirmos em come-los tempo suficiente, até sabem melhor que batatas fritas)

 

#tenhobuéexcuses #nãosirvioparamotivarninguém #querocomerqualquermerdaesermagranamesma

 

  • 3 comentários

    Comentar post