Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blog Bestialmente Conhecido

Algumas observações de uma mãe em estado de desgaste

1. Acordar de manhã. O miúdo pergunta "vamos para os avós?" só mesmo para morder o ambiente e perceber que tipo de dia tem pela frente. E nós darmos-lhe a possibilidade de escolher um sitio para ir. Vai escolher sempre o mais esfrangalhador de nervos. Como o shopping.

Note to self: crianças não devem escolher os sítios onde vão. Apenas o podem fazer em datas especiais, como o aniversário e o Natal, porque essas só acontecem 2 vezes ao ano e uma pessoa ainda aguenta.

 

2. Acreditar que ir a um shopping do estilo retail, que é parcialmente em espaço aberto, pode fazer com que seja mais fácil levar uma criança de 3 anos.

Nada mais errado.

Vai querer mexer em tudo o que não pode. Vai pedir tudo o que aparece à frente. Vai prometer que aceita que seja só uma coisa e quando lha damos vai dizer "também queo aquilo!", quando explicamos que não e porque não repete mil vezes "masjeuqueo!". E a conversa dá-se até chegarmos ao carro.

Pior, acreditar mesmo que há alguma hipótese de conseguir ir a uma sapataria com um grau mínimo de descanso para comprar uns sapatos.

Note to self: já és mãe há 3 anos, 3. É profundamente idiota achares que te safavas com esta.

 

3. Levar a criatura ao mercado comprar os legumes. Ele vai mexer nas cebolas da vizinha e tentar descasca-las todas. Vai fazer das cenouras microfones e só vai descansar quando lhe dermos uma maçã lavada. A mesma que vai roer até chegar ao carro e depois vai dizer "toma, podes comer o resto se quiseres!".

E a pessoa vai roer a maçã e vai arranjar um saco para espetar com os restos daquilo.

 

4. Para o carro enquanto o pai vai buscar o almoço e oferecer-se para ficar com o pequeno demónio. 

"Porque é que estamos aqui?"

"Onde está o meu pai?"

"Queo ir ter com o meu pai!"

"Dá-me uma bolacha!" e eu arranco com um como é que se pede?

"Faxavore!"

Tiro a bolacha do pacote e ele diz.

"Afinal tenho sede."

"Queo água!"

"Dá-me água"

"Po favore"

Quase parece que acabou de chegar do deserto de tão seco que está.

Despacha-se ao terceiro gole.

"Porque é que ainda aqui estamos!"

"Quando é que o pai chega?"

E tudo se repete novamente até o outro desgraçado chegar com o almoço. Uma pessoa já está num esgotamento nervoso tal que só lhe apetece arrear uma porradona à pessoa com a qual contraiu matrimonio.

 

5. Dias de chuva. Estou farta da merda da chuva. Ficar fechada em casa com uma criatura de 3 anos num dia de chuva é o teste máximo ao sistema nervoso de uma pessoa cansada.

Já fingi que arrancava macacos com uma tesoura de médico, aproximadamente 40 vezes. Ação arrematada com uma careta. Ao fim de 40 vezes fiquei com a sensação que os nervos da minha cara iam entrar em falência...tal não era o estado de dormência. Ler histórias. Fazer perguntas. Ver Rucas. Colorir os cadernos que ele me entrega enquanto o vejo a espalhar as peças do lego. Não ser capaz de ver a cor do chão...porque há demasiadas bugigangas no chão. As mesmas que uma pessoa pisa e depois diz "Foooooooodaaaaaa-se, pá!". Mas para dentro. Porque se aquilo sai em voz alta a pessoa sabe que vai sofrer com o deslize nos próximos 2 anos. 

É extraordinário como o cérebro aprende a ser rápido. Quando uma pessoa tem filhos, fica pior que os gajos da Mossad, faz uma vistoria ao perímetro antes de verbalizar os effes e os cês.

 

Resto de bom sábado a todos, com umas valentes hemorroidas na peida no recto do meu querido São Pedro. Tens guardado um lugar especial no meu coração, seu cabão meu querido.

 

  • 3 comentários

    Comentar post