Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blog Bestialmente Conhecido

Catálogo de dias

Gostava muito de fazer uma introdução supimpa para este post, como aliás é meu apanágio, mas não dá.

 

Dias de nível 1 – Maravilhosos

 

São aqueles dias em que uma pessoa se espraia na areia ou numa espreguiçadeira à beira da piscina. Uma pessoa tem sempre na mão uma bebida colorida com chapelinho. A temperatura não é demasiado quente a ponto de despoletar uma quebra de tensão e não sopram aragens que derivam em pontadas nas costas e consequentes desarranjos pulmonares.

Não há emails, não há internet, o miúdo porta-se sempre bem, e responde com um “sim senhora!” sempre que lhe digo assim comás moças de Cascais “o menino faça como a sua mãe diz, sim?”.

 

Dias de nível 2 – Bons

 

Uma pessoa não está de férias mas está de descanso. O miúdo não anda a saltar por cima das camas ou dos sofás, os cães não arranjam intoxicações alimentares depois de comerem lápis de cera, a casa está milagrosamente arrumada. A pessoa não trouxe problemas de trabalho acachapados à ideia e as refeições são feitas no exterior com vista a não dar trabalho na confeção nem produzir loiça para lavar. A pessoa dorme, pelo menos 8 horas por noite e dá-se o milagre da célula adiposa quando a pessoa come tudo o que lhe dá na real gana, ao nível do enfrascamento em açúcar, sem que isso tenha consequência no peso do dia seguinte e sem que acabe o dia a ENO.

 

Dias de nível 3 – Razoáveis

 

A pessoa até tem de trabalhar, levantou-se cedo, mas não tem demasiadas preocupações. O dia segue sobre rodas. A criança faz as refeições como lhe é pedido e os cães largam menos pelo do que é habitual. Ou seja, estes dias estão limitados aos meses de Verão e Inverno. A pessoa consegue ter a casa mais ou menos arrumada e não há quaisquer sinais de problemas mecânicos com a viatura nem necessidade de arranjos no lar.

 

Dias de nível 4 – Merdosos

 

A pessoa apanha filas grandes para chegar ao trabalho, encontra energúmenos à razão de 3 por cada 5 quilómetros e vê-se à rasca para estacionar o carro quando chega ao destino. O trabalho começa a acumular e a pessoa percebe que terá de gerar o milagre da multiplicação clonistica para dar vazão a tanta coisa. Dorme poucas horas e tem umas olheiras do tamanho de um cacilheiro. A casa está em desarranjo e é preciso despachar 5 máquinas de roupa. A criança desafia e desdenha das refeições. As criaturas que ladram fazem chinfrineira em todos os passeios levando os nervos da pessoa ao esfrangalhamento quase total.

 

Dias de nível 5 – Do-cuarailho

 

A pessoa apanha trânsito todos os dias. Foge pela ponte que fica mais longe, duplica os quilómetros – logo a despesas em gasosa – e paga mais de portagem. Ainda assim chega no limite ao trabalho. Deixa o carro num buraco e percebe, ao tirar os sapatos de salto da bagageira, que qualquer coisa fez um corte no botim (ou isso ou que se esqueceu de trazer umas peúgas para calçar debaixo das botas). A pessoa volta a usar as suas armas de sedução – aka meias de compressão – e vê as suas possibilidades de indumentária condicionadas aos mínimos. Reza para que venha o verão mas chove sempre ao fim de semana. No trabalho não há mãos a medir no trabalho e nas viagens de ida e de volta faz apontamentos em folhas avulsas para não se esquecer de nada. Esquece-se sempre de qualquer coisa. A casa já viu melhores dias, a mesa do hall de entrada tem tanta tralha que lhe é impossível ver a cor. A Primavera começa e a cadela desfaz-se em pelo. Parece magia, não para de cair. O miúdo faz asneiras e dá conta da tola à pessoa e, a somar a isso, graças ao tempo que não se decide fica constipado. A criatura que a pessoa trouxe ao mundo acorda 5 vezes por noite e acaba na cama da pessoa, encostada à pessoa e a dar lambadas à pessoa a cada quarto de hora. A pessoa tem as olheiras até aos joelhos e sente uma espécie de náuseas que resultam do stress e da falta de descanso. Como se não bastasse uma puta de uma gripe que passou mas que deixou uma espécie de uma rinite que persiste em encher as vias respiratórias da pessoa com ranhoca.

 

 

Se não estivesse faz duas semanas a ultrapassar dias de nível 5 até teria escrito uma introdução supimpa para este post. Mas como isto vão para aqui dias do-cuarailho, lamento mas é o que se arranja.

 

Adeus e boa tarde

 

(aceitam-se mais categorias para o bestial catálogo aqui elencado)