Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blog Bestialmente Conhecido

E se eu o for levar à faculdade?

Assustam-me todas as coisas do Universo quando toca a Sôtor meu rico filho. Diria que até a espessura do chão que ele pisa me causa alguma preocupação. Se cai, se bate com a cabeça, se se arranha, se se magoa, se anda à bulha, se bate em alguém, se alguém lhe bate, as pessoas más do mundo, as noticias que deixei de ler porque me tiravam o sono, a independência dele, o dia em que vai para a escola, o dia em que mude de escola, o primeiro amor, a mulher que lhe parte o coração, o curso que escolha, ou se não escolhe curso, se tem bons professores, ou maus, se cai de bicicleta, se vai nadar para alto mar, se lhe batem no carro, se conduz muito depressa….

 

Tudo, literalmente tudo o que se possa imaginar. Seja mais premente, seja num futuro que está demasiado longe.

 

É idiota bem sei, mas é assim que a minha cabeça funciona.

 

Hoje de manhã a caminho do trabalho falávamos de uma colega que estava em casa porque terá comido umas ameijoas estragadas.

 

Nuno – Vamos lá a ver se ela hoje já está melhor. Não se brinca com intoxicações alimentares com marisco!

 

Eu – Sim, é bom que tenha juízo, porque isso não se resolve com cházinho!

 

(ontem o Nuno mandou-lhe uma mensagem a perguntar se estava melhor e se já tinha ido ao médico, respondeu que o filho estava a chegar e que lhe ia fazer um chá.)

 

Parei um bocado a pensar nas minhas coisas…

 

Eu – Olha lá, que idade tem o M.? Já vai sozinho da escola para casa? (o horror espelhado no meu semblante!!!!!)

 

Nuno – Deve ter uns 17 anos e creio que sim, estavas à espera de quê?

 

Eu – Não estou preparada que Sôtor faça essas viagens sozinho com essa idade. Vou continuar a ir leva-lo à escola e a ir busca-lo…

 

Parei para pensar….

 

Eu – Achas que era muito estranho que eu o levasse e o fosse buscar já na faculdade?

 

(estranhamente esta era uma pergunta verdadeira)

 

Nuno – Não! E se o levares ao trabalho e o fores buscar à saída também não! Ó mulher tem mazé juízo!

 

(ninguém me entende…)

 

  • 2 comentários

    Comentar post