Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog Bestialmente Conhecido

Sou uma pessoa má, vil e por isso vou para o Inferno

Eu sei disso. Caso se venha a comprovar que existe de facto um inferno é para lá que eu vou. Junto com os violadores, os assaltantes, os assassinos, as pessoas que tratam mal animais, os banqueiros trafulhas e as pessoas que comem coisas com sopas de pão, vou estar eu, a nega-mesas.

 

Antes de prosseguir com este post parece-me essencial fazer o seguinte enquadramento:

 

Não sou uma pessoa baril.

Não sou uma pessoa shuper acessível.

Não sou mega à vontade.

Não sou amiga de palmada nas costas ao fim de 5 minutos e gosto pouco de à vontadinhas.

Sou uma pessoa correta, cordial, educada.

Sou simpática com quem quero.

Sou disponível para ajudar.

Sou divertida com as pessoas mais próximas.

E sou a minha versão mais natural em casa.

 

Tenho cá as minhas coisas e gosto dos meus momentos. Nesses gosto que me deixem estar sossegada e que não me aporrinhem a mona.

 

Dito isto prossigo mais leve.

 

A empresa onde trabalho faz parte de um grande grupo. Quando em 2015 mudámos de instalações, ficaram no mesmo edifício várias empresas desse mesmo grupo. Com essa realidade, em vez de termos uma copa para almoçar passamos a ter uma cantina. Aliás, temos 3. Várias meses dispersas, muitos microondas e cada um aquece a sua malga.

Há, como em qualquer bom restaurante, horas de ponta. Por isso eu, como posso organizar a minha hora de almoço na hora que me dá mais jeito, vou comer bastante cedo. Ao meio dia já estou sentada, afinal de contas pouco depois das 6 já estou a tomar o pequeno almoço.

Ir a esta hora garante algum descanso quanto ao buliço e a loucura por mesas. Toda a gente se quer sentar para comer e ninguém gosta de ficar à espera. Quando a loucura começa já eu estou a dar lugar ao próximo.

Mas...

...às vezes não consigo estar sentada tão cedo quanto gostaria.

Por isso, nesses dias (negros e turbulentos), ao fim de pouco tempo de estar sentada a enchente dá inicio e não é difícil ver malta faminta a olhar para nós como quem deseja profundamente que nos engasguemos num coentro e quinemos para o lado, qualquer coisa desde que a mesa vague.

Lido bem com esta malta. Têm objetivos e querem vê-los atingidos.

Depois há as pessoas dadas ao convívio. Amistosas. Umas mais simpáticas que outras. Umas agradáveis, outras que se acham com buedesde direitos. São estas pessoas, que porventura têm um sentido de comunidade maior que o meu, que me lixam.

Ontem, estávamos já a terminar a refeição e aparece-me um rapaz que nunca tinha visto antes na vida (simpático e educado, nada a apontar):

- Podemos sentar-nos no resto da vossa mesa?

(de notar que estávamos sentamos numa mesa daqueles que parece dos dinners americanos e, em que, para que uma pessoa se sente no lugar do fundo toda a gente tem de se levantar e empurrar pratos e o diabo a quatro)

E pondero uma fração de segundo e digo ao moço (igualmente simpática e cordial):

- ...olhem, deixem-nos acabar, estamos mesmo no fim. Estamos a conversar e a almoçar descansados. A gente acaba e depois vocês ficam com a mesa. Pode ser?

E o rapaz lá foi à vida dele.

 

Vamos lá a ver uma coisa. Eu sou uma má pessoa, sou vil e por isso vou para o Inferno, já sei. Mas tenho esta coisa de gostar de almoçar descansada, de conseguir conversar com a pessoa que me acompanha sem constrangimentos.

Para isso muitas vezes espero que vaguem mesas quando há pessoas sentadas a beber a bica, mas que na verdade já têm o copo vazio há mais de 20 minutos. Por vezes tenho de esperar que determinadas pessoas lavem a loiça toda, porque em vez de libertarem a mesa para os outros comerem andam a fazer festas à malga e a ocupar a mesa - uma vez tive 10 minutos à espera que uma pessoa lavasse um tupperware (não há pachorra!).

Gosto de fazer a minha pausa e de estar descansada, sem me sentir pressionada para acabar de comer, sem ter de fazer convívio com pessoas que nunca vi na minha vida, por mais simpáticas e queridas que possam ser. Estou certa que são amorosas que que numa qualquer outra vida desta galáxia podíamos bueda BFF's, mas neste momento não dá.

Não tenho qualquer desejo de conhecer pessoas enquanto como o resto do arroz de pato de ontem.

 

Porque, vamos lá a ver, uma pessoa vai a um restaurante comer, se aparece alguém à procura de mesa é suposto sentar-se na nossa só porque temos cadeiras vagas?

Não. Espera que vague uma mesa. Certo?

Então c'est la meme chose... (ou lá o que é que os franceses dizem)

 

Sei que há pessoas que acham que sou uma besta quadrada, que mal há em sentar-se toda a gente na mesma mesa? Não há, eu é que gosto de almoçar descansada, com as minhas conversas, no meu canto, e acho que também não há mal nenhum nisso.

Ou há?

 

#nuncavouserumapessoasociavel

#bestaforever

#perdiorestodosleitores

#agoraéqueaspessoasvãoprocuraroblogdeumapessoafofinha

 

 

(Este maravilhoso espaço de entretenimento tem conta no facebook e também arreia texto e imagem no Instagram. Ainda não segues?  Shame on you...)