Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog Bestialmente Conhecido

Gripefighter

Só há uma coisa mais chata do que apanhar gripe: apanhar gripe quando estamos de férias, num feriado ou em qualquer dia e descanso. Parece-me sempre que ou os astros têm alguma necessidade de nos punir, ou as nossas células são tão workaholics que quando nos apanham em descanso cedem aos micróbios, vírus e qualquer outro organismo nefasto.

Sôtor dormiu mal ontem, acordou com o nariz entupido e, antes das 6 da manhã já estávamos sentados a ver bonecos na TV. Eu e o pai andámos a semana toda em jubilo porque íamos ter 3 dias de descanso, íamos poder passear, ir ao jardim, pôr uns filmes em dia, descansar. Ah, a possibilidade de dormir mais umas horas, até sentia as minhas artroses a bater palminhas.

Neste momento só sinto as artrose a ganir.

Ontem, pela hora de almoço pareceu-me que tudo se ia resolver pelo melhor, até disse ao meu irmão - confiante, eu - que íamos lá almoçar hoje, claro que sim.

Ao fim da tarde a minha garganta já tinha uma opinião diferente, a noite foi infernal e quando me levantei constatei que as únicas partes do meu corpo que não estavam doridas eram: o meu cabelo e as minhas unhas.

Que raio de células são estas que ficam doentes quando estamos em descanso?

As minhas, como é evidente.

Estava eu a contar com 3 dias frios mas de passeio, assim a contrariar a minha tendência naturalmente catastrófica, cheia de positivismo e tumbas!, vai de ficar com gripe. 

É por isso que eu sou como o outro: prognósticos só depois do fim de semana.

 

Espera-me então uma Páscoa de chá, canja, Griponal, pijama, mantas e muitos, muitos, muitos, muitos Rucas...(já estou a ficar passada).

E ainda por cima lá fora até está um tempo compostinho, ao contrário do que tinham dito, rai's-parta!

 

O que vale no meio disto é que a minha criatividade se vai mantendo no seu auge e ontem, a olhar para a caixa de medicamentos, encontrei o nome ideal para um medicamento contra a gripe: Gripefighter. Porque não há nada que nos dê mais descanso do que que um medicamento que mande cá para dentro um conjunto de carecas da trança longa e Van dammes para dar umas bufatadas à gripe.

Vou ficar rica quando as farmaceuticas souberem desta ideia.

 

 

Entrevista ao meu "eu" engripado

Eu entrevistadora com perguntas néscias (doravante apenas "EECPN") - Boa tarde Cátia, como está?

Eu no estado presente (doravante apenas "ENEP") - Bom dia só se for para si. Estou ranhosa como pode ver.

EECPN - Mas em que é que esse facto é diferente do seu estado normal, enquanto pessoa ranhosa, quero eu dizer?

ENEP - A literalidade. No dia a dia sou uma ranhosa mas apenas no sentido metafórico. Hoje, tal como ontem, e os 2 dias antes dele, tenho estado uma ranhosa que se assoa de facto muito e contribui largamente para a pegada de poluição com resmas de lenços de papel nefastos.

EECPN - Então está a passar este belo dia envolta em mantas no seu sofá?

ENEP - Era bom não era?! Mas não! Levantei-me às 7 obstruída e danada porque esta porra não passa e não vejo o meu jaguncinho desde segunda feira à noite. Comi sem qualquer tipo de capacidade de saborear a comida. Vesti-me de contra-vontade. Apanhei hora e meia de trânsito, porque o tuga não aprende a deixar distância de segurança NEM EM DIAS DE CHUVA. E agarrei-me ao computador a trabalhar, ofertando a todos os meus colegas os vírus que trago comigo.

EECPN - É uma pessoa que gosta de partilhar?

ENEP - Sem dúvida que sim.

EECPN - E está a tomar medicação?

ENEP - NÃO...então eu entreguei para Deus e estou à espera que Ele resolva isto! Que raio de pergunta senhora....

EECPN - É seguro dizer que está a ter um dia menos bom?

ENEP - É seguro dizer que estou a ter um dia de bosta! Estou a tentar manter a calma para não extrair o meu próprio nariz com uma catana.

EECPN - Já experimentou meditar?

ENEP - Já e só piorou as coisas...

EECPN - Dias melhores virão. Tem de manter-se positiva. Pense onde gostaria de estar agora.

ENEP - OK....

EECPN - Então, onde era?

ENEP - Numa ilha com muitas palmeiras, a senhora estava a entrevistar-me e depois aparecia um tigre e comia-a. Eu ficava muito amiga do bichano, dávamos um hi5 e eu punha-lhe um colar de ouro como a Katy Perry fez no Roar.

EECPN - A senhora é uma pessoa desagradável.

ENEP - Também a gripe e eu estou a atura-la desde sábado.